Blog  

O que é Roku? Saiba como a empresa quer se tornar parte da sua TV

0 Comentários
556
23 Jan 2020

O que é Roku? Saiba como a empresa quer se tornar parte da sua TV

Empresa anunciou chegada ao Brasil nesta terça-feira, com o lançamento de um sistema operacional nas TVs da AOC

Nesta terça-feira (21), o mercado de TVs conectadas brasileiro viu a chegada de um novo competidor. A empresa americana Roku (sim, apesar do nome japonês, a empresa é dos EUA), chegou ao Brasil querendo tomar um espaço que já tem alguns nomes de peso como Samsung, LG, Apple e Google.
 
Primeiramente, é necessário entender de onde partiu a Roku e o que eles estão trazendo ao Brasil. A companhia começou a cavar seu espaço no mercado dos Estados Unidos com a revolução do streaming, com a popularização de serviços como Netflix e similares. Seu primeiro produto a começar a ganhar popularidade foram suas set-top boxes, as caixinhas conectadas que se ligam à TV que podem dar capacidades “smart” a um modelo que não tenha internet.
 
Neste formato, provavelmente seu grande concorrente ao longo dos anos é a Apple TV; a ideia é a mesma: proporcionar mais capacidade e uma interface melhorada para utilização de televisores conectados. A vantagem deste tipo de dispositivo sobre uma Smart TV convencional é simples: uma plataforma centralizada facilita o suporte a aplicativos por parte dos desenvolvedores e cria uma experiência de uso mais consistente.
 
Com o sucesso, a Roku expandiu para outros tipos de produtos além da caixinha. Talvez você seja familiarizado com o Chromecast; a empresa também tem um produto para competir com o aparelho do Google, que é o Roku Streaming Stick. Ele é um dispositivo pequeno conectado diretamente à porta HDMI de um televisor; a diferença é que enquanto o Chromecast não apresenta uma interface gráfica com a qual você interaja na TV (ele só recebe ordens de streaming a partir do seu celular), o aparelhinho da Roku não funciona de forma diferente de sua set-top box. O dispositivo conta com aplicativos rodando nativamente e é comandado por controle remoto.
 
No entanto, não foi nenhum desses produtos que chegou ao Brasil. O que a empresa trouxe ao país é o Roku OS, o sistema operacional que roda por baixo das caixas de streaming e do Streaming Stick. O software está presente em duas TVs anunciadas nesta terça-feira; também vale notar que os aparelhos não são da Roku, mas sim da AOC.
 
O que tem de diferente?
Em termos de aplicativos, o usuário do Roku OS não deve sentir falta de nada que está presente em outras plataformas, como Tizen, da Samsung, WebOS, da LG e em outras set-top boxes, como é o caso da Apple TV. A empresa, no entanto, aposta em um diferencial: a capacidade de encontrar o conteúdo que o usuário quer assistir, independentemente de onde ele estiver.
 
Com o acirramento da disputa entre serviços de streaming, o conteúdo está cada vez mais pulverizado entre múltiplas plataformas. Vamos supor que você queira assistir a um episódio de “The Office”: qual serviço você precisa abrir? Até pouco tempo, o conteúdo era presença marcante no catálogo da Netflix, mas hoje pertence ao Amazon Prime Video. Com tanto material mudando de mãos frequentemente, e com o número de serviços aumentando cada vez mais, saber onde assistir o quê fica cada vez mais complicado.
 
É aí que a Roku tenta se diferenciar. O sistema operacional da empresa possui um sistema de busca universal, que vai apontar em qual canal está o conteúdo buscado. Então, seguindo o exemplo, se a busca é por “The Office”, o sistema vai direcionar o usuário para o Amazon Prime Video. Se a pesquisa for por “Friends”, o resultado vai apontar para a Netflix.
 
O aplicativo da Roku também é apontado como um diferencial do sistema. Com ele, é possível utilizar o celular para comandar a TV, então você não precisa se desesperar se não conseguir encontrar o controle remoto. No entanto, o destaque do app é a capacidade de extrair o som da TV para ouvi-lo por meio do seu smartphone, ideal para quem não quer fazer barulho.
 
Não é muito difícil imaginar bons usos para esse recurso. Às vezes você não quer diminuir o som da TV enquanto alguém da sua família dorme, mas também não quer incomodá-lo. Basta conectar o fone no celular e abrir o app para fazer com que o áudio do que você está assistindo seja canalizado para o seu smartphone e transmitido diretamente para os seus ouvidos.
 
A estratégia para o Brasil
São duas TVs anunciadas para o Brasil: o primeiro modelo, mais acessível, conta com tela de 32 polegadas, custa R$ 1.200; já o outro conta com um painel de 43 polegadas, saindo por R$ 1.600. Ambos estão limitados à resolução de 1920x1080, também conhecida como Full HD.
 
Pelas especificações, fica bem claro que, pelo menos no primeiro momento, a Roku quer brigar pelo mercado de TVs de entrada, pelo menos a princípio. Faz sentido: é a faixa do mercado onde há menos “lealdade” com marcas, e onde há mais espaço para “disrupção”.
 
Nas faixas de preço mais altas, seria difícil para a Roku entrar em uma briga com Samsung e LG. São as marcas de maior prestígio do momento, com seus próprios sistemas operacionais fortes e estabelecidos. Enquanto isso, os modelos mais baratos não conseguem oferecer uma experiência consistente para Smart TVs, criando uma oportunidade de entrada no mercado.
 
O problema nesta estratégia, no entanto, é que as TVs “de entrada” com o sistema da Roku estão com preço acima do que o mercado dita. Uma TV Full HD de 43 polegadas não pode custar R$ 1.600 atualmente, quando já é possível comprar um televisor 4K com tamanho similar. Um modelo da própria AOC, com 43 polegadas e resolução 4K, pode ser encontrado por R$ 1.700.
 
Assim, é muito provável que vejamos uma queda de preço praticamente imediata dos televisores quando eles chegarem ao mercado. Pelo preço atual, por mais interessante que seja o sistema da Roku, não é possível recomendar a sua compra.
 
Até o momento, a empresa ainda não falou sobre possíveis planos para expansão das atividades no Brasil por meio do lançamento de seus outros aparelhos próprios, como a sua set-top box. Se os recursos listados acima interessam.
 
0.0
Última Modificação: quinta 23 janeiro 2020 17:34
Artigos Relacionados: Como Configurar Seu Novo Az-America i7 SKY é eleita como TV por assinatura mais barata Fornecedor de IPTV quer que operadora pague R$ 212 milhões por pirataria Traffic Shaping: o que é, como funciona e como burlar? Satélite da DirecTV pode explodir a qualquer momento por problemas na bateria Band quer novo programa esportivo e mira contratações de peso Plex: streaming gratuito quer ser um grande agregador de conteúdo Governo quer tratar plataformas streaming como serviços televisivos Projeto de lei quer tornar obrigatório Voz do Brasil na TV aberta WhatsApp para Android pode ser invadido facilmente, veja como se proteger
O que é Roku? Saiba como a empresa quer se tornar parte da sua TV

Sem comentários ainda...

Deixe uma Resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.